Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CALCIFICAÇAO AORTICA E RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES COM HIPERPARATIREOIDISMO SECUNDARIO GRAVE EM HEMODIALISE

Introdução

A doença cardiovascular é a causa mais comum de morte em pacientes com doença renal crônica (DRC), sobretudo em hemodiálise (HD). Este risco é agravado em parte pela calcificação vascular, com acometimento principal da camada média. A rigidez ou falta de distensibilidade arterial causa hipertensão e aumento da pressão de pulso que são fatores de risco para disfunção ventricular esquerda e insuficiência cardíaca na DRC. O objetivo deste estudo foi predizer a ocorrência de evento cardiovascular em pacientes em HD com hiperparatiroidismo secundário (HPTS) grave sem e com calcificação aórtica.

Material e Método

Avaliamos pacientes>18 anos, em HD>1 ano e PTH>1.000pg/ml. No momento basal, coletamos dados clínicos e radiográficos (radiografia de abdome lateral) para avaliação da presença de calcificações lineares na topografia da aorta abdominal. Acompanhamos os pacientes prospectivamente entre 2013 e 2017 para avaliação de eventos cardiovasculares (morte, infarto do miocárdio, acidente vascular encefálico, calcifilaxia). Realizamos análise comparativa de variáveis categóricas através de teste exato de Fisher e ocorrência de desfechos por curva de Kaplan-Meier.

Resultados

Selecionamos 41 pacientes, 41% homens e 59% mulheres, 47,0±9,8 anos, IMC 24,1±4,4Kg/m2, em HD há 133±54 meses, sendo hipertensão arterial (34%) e causas indeterminadas (27%) as principais etiologias. Valores séricos basais: PTHi 2.706±1.183 pg/ml; Ca corrigido 10,1±1,0 mg/dl; P 6,1±1,3 mg/dl; Mg 2,2±0,5mg/dl; Albumina 3,6±0,5g/dl; HCO3 19,4±7,8 mmol/l; 25OHvitD 22,5±12,5 ng/ml; FAL 1.344±1.153 U/l. Os pacientes foram acompanhados por 32±15 meses. Dentre os 22 pacientes (54% do total) que apresentavam calcificação aórtica na admissão, 7 (32%) desenvolveram evento cardiovascular. No grupo de pacientes sem calcificação aórtica na admissão, nenhum paciente desenvolveu evento cardiovascular (OR=1,46; IC95% 1,10-1,95), havendo diferença significativa por teste de Long-Rank na ocorrência de eventos (p=0,03) no período analisado.

Discussão e Conclusões

A precipitação de fosfato supersaturado e cálcio pelo HPTS grave, associada à diferenciação osteocondrogênica e degradação de elastina, resultam em calcificação vascular promovendo hipertrofia ventricular esquerda e posterior redução de perfusão das artérias coronarianas, portanto maior risco cardiovascular. A radiografia simples de abdome foi capaz de predizer maior risco de desfechos cardiovasculares nos pacientes que apresentavam calcificação aórtica em nossa população.

Palavras Chave

Hemodiálise; Hiperparatiroidismo; Doenças Cardiovasculares.

Área

Doença Renal Crônica

Instituições

UFRJ - Rio de Janeiro - Brasil

Autores

Gabriela Araújo Campos, Alinie da Silva Pichone, Maurilo de Nazaré de Lima Leite Jr, Carlos Perez Gomes