Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TRATAMENTO DA COLELITIASE SINTOMATICA NO DOENTE RENAL CRONICO: PORQUE OPERAR ELETIVAMENTE

Introdução

A colelitíase ou Colecistopatia Crônica Calculosa (CCC), é uma das afecções de maior prevalência na população geral, (10% a 15%), A CCC ainda constitui a principal causa de internação hospitalar relacionada com doenças gastrointestinais em muitos países e responde por um custo financeiro expressivo no cuidado a saúde. Calcula-se que para cada 100.000 indivíduos da população mundial, 115 pessoas serão submetidas a colecistectomia anualmente. Atualmente, com o uso em larga escala da USG observa-se um aumento significativo no diagnóstico da CCC, principalmente nos indivíduos assintomáticos. Baseado no exposto acima, ainda restam dúvidas se os doentes transplantados renais ou os doentes renais crônicos que aguardam transplante e portadores de colelitíase, devam ser submetidos a algum tipo de intervenção diagnóstica e/ou terapêutica

Material e Método

De Janeiro de 2009 a Março de 2019 foram atendido 22 doentes renais crônicos e portadores de CCC e que necessitaram de tratamento cirúrgico da vesícula biliar no Hospital do Rim da Fundacao Osvaldo Ramos da UNIFESP.

Resultados

Destes 13 são do sexo masculino. A média de idade 56 anos (Mediana 54), As principais causas de IRC foram: Diabetes Mellitus (8), Hipertensão Arterial (6) e Lupus (3). A creatinina media desse grupo era 7,01 e mediana 7,99. A ASA foi de 3 e mediana de 4 pacientes de alto risco anestésico. O IMC foi de 28 (mediana 27). Todos doentes eram sintomáticos sendo 10 com cólica biliar subentrante, 8 com pancreatite e 4 com colecistite aguda. Quanto ao caráter da cirurgia 5 foram de urgência. A Videolaparoscopia foi a técnica usada em 18 porem 4 foi necessário a conversão para aberta devido principalmente ao quadro inflamatório da vesícula biliar. O tempo médio de cirurgia foi de 60 minutos. E o tempo médio de internação 2 dias. Houveram complicações como infecção de parede abdominal (conversão) 3 casos. Um caso evoluiu ao óbito por sepsis (Gangrena de Vesícula). A creatinina pos operatória no 15 PO foi Mediana 6,03. 3 doentes realizaram transplante renal 1 a 3 anos apos a Colecistectomia .

Discussão e Conclusões

Os doentes renais crônicos em tratamento conservador ou em programa de dialise quando apresentam o diagnostico de colelitiase devem ser avaliados para uma possível indicação cirúrgica. Esse doente apesar de clinicamente graves se comportam semelhante aos doentes não renais quando da cirurgia. Porem na vigência de complicações (colecistite aguda, cirurgia de urgência, pancreatite) a morbimortalidade pode ser mais expressiva

Palavras Chave

Colelitiase, Insuficiencia Renal, Cirurgia

Área

Multiprofissional: Outras áreas

Instituições

FUNDAÇAO OSVALDO RAMOS - HOSPITAL DO RIM - Sao Paulo - Brasil

Autores

ALESSANDRO DE RINALDIS, FERNANDO AUGUSTO MATAVELLI, ISABELLA LOURENÇO SARAIVA, LAERCIO GOMES LOURENÇO