Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

HIPONATREMIA MULTIFATORIAL EM PACIENTE COM MIELOMA MULTIPLO: REVISAO DE LITERATURA POR MEIO DE RELATO DE CASO

Introdução

A hiponatremia é o distúrbio eletrolítico mais comum da prática clínica e com incidência elevada no paciente com Mieloma Múltiplo (MM), determinando piora do prognóstico

Material e Método

Revisão de prontuário, literatura com abordagem sob a forma de relato de caso.

Resultados

Mulher, 56 anos, história de transtorno psicótico, admitida com LRA não-dialítica sem etiologia. História prévia e exames admissionais apontaram MM. Evoluiu com choque séptico de foco pulmonar, internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), hipervolemia, hiponatremia e piora da função renal, necessitando iniciar hemodiálise. Após estabilização hemodinâmica e controle infeccioso, realizou aspirado de medula óssea que confirmou MM. Iniciou tratamento quimioterápico, evoluindo sem necessidade de suporte dialítico. À alta da UTI, apresentou poliúria (inicialmente 13 L/dia), hiponatremia euvolêmica, assintomática, sódio urinário elevado, hipocalemia, hipocalcemia e hipomagnesemia, simulando tubulopatia, porém descartada após normalização dos distúrbios eletrolíticos, sugerindo que o fenômeno anterior foi consequente à fase de recuperação da Necrose Tubular Aguda (NTA). Neste momento, chamou atenção a persistência da hiponatremia (euvolêmica), com poliúria de menor volume (cerca de 5 L/dia). Solicitada restrição hídrica à paciente, sob vigilância dos cuidadores, sendo atingido volume urinário adequado (potomania), porém ainda hiponatrêmica. Descartados laboratorialmente hipocortisolismo e hipotireoidismo, sendo levantada possibilidade de Síndrome da Secreção Inapropriada do Hormônio Antidiurético (SIADH) induzida por Risperidona, a qual foi suspensa. Paciente evoluiu com resolução da hiponatremia, confirmando o diagnóstico.

Discussão e Conclusões

Vários fatores levaram à hiponatremia: 1) Hiperparaproteinemia do MM e consequente pseudo-hiponatremia, além de toxicidade tubular pelas cadeias leves e obstrução tubular; 2) Ressuscitação volêmica durante estado de sepse, com LRA oligúrica e balanço hídrico positivo; 3) Perda da capacidade reabsortiva tubular de sódio durante fase de recuperação da NTA; 4) Excesso de água livre (potomania); 5) SIADH. No que tange a esta última, a melhora da hiponatremia, após suspensão da Risperidona, reforça esta hipótese. Conclusões: A hiponatremia pode ser multifatorial. Sua presença está associada a uma série de desfechos desfavoráveis incluindo aumento da morbi-mortalidade. A correta classificação e diagnóstico etiológico são imperativos para a instituição da terapêutica adequada.

Palavras Chave

Distúrbio hidroeletrolítico, distúrbios do sódio, hiponatremia, Mieloma Múltiplo, hipervolemia, Necrose Tubular Aguda, SIADH

Área

Nefrologia Clínica

Instituições

Hospital Universitário Onofre Lopes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Rio Grande do Norte - Brasil

Autores

Pedro Henrique Cavalcante Vale, Amanda Silva Silveira, Felipe Leite Guedes, Andrei Medeiros Andrade Lima, Silvia Queiroz Santos Martins, Raíssa Medeiros Marques, Laíse Pereira Arcoverde Brito Fechine, Rinadja Melo Cunha, Patrick Vieira Oliveira Vanttinny