Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

INFILTRAÇAO INTERSTICIAL MACIÇA POR HISTIOCITOS EM RIM TRANSPLANTADO: RELATO DE CASO

Introdução

A infiltração de histiócitos em parênquima renal é incomum e foi descrita em raríssimos casos de Linfohistiocitose Hemofagocítica (LHH).

Material e Método

Revisão de prontuários de paciente do ambulatório de transplante renal, no período de 2015 até 2019.Caso: mulher, 40 anos, retransplante renal (TxR) há 14 meses, apresentando creatinina (cr) de 1,2 mg/dL após 40 dias do TxR. Porém, teve rejeição após 60 dias do TxR (BANFF 2a, tipo I e II) com boa resposta ao tratamento (cr:1,4mg/dL). Um ano depois do TxR, após 3 dias de uso de AINH por lesão articular, teve piora da função renal (cr:9,8 mg/dL); referia astenia, mialgia, negava febre e sintomas urinários. Na investigação do quadro, urocultura apresentou E. coli e K. pneumoniae; tomografia de tórax revelou nódulos pulmonares sugestivos de infecção fúngica; além de PCR para CMV com 1380 cópias (chegando a 5200 cópias). Tratou com cefalosporina, voriconazol e ganciclovir. Evoluiu com febre, pancitopenia e sem melhora da função renal com necessidade de diálise. Foi submetida à biópsia renal que demonstrou infiltração intersticial maciça de histiócitos; e mielograma com figuras de hemofagocitose. Além disso, apresentava hipertrigliceridemia (302,98 mg/dl) e ferritina elevada (3268,00 ng/ml).

Resultados

Em 7 semanas após início do quadro, paciente evoluiu com urocultura negativa, melhora do padrão radiológico pulmonar, PCR negativo para CMV, recuperação da pancitopenia e estabilização da função renal sem necessidade de diálise (cr:4,9 mg/dl).

Discussão e Conclusões

O diagnóstico de LHH ocorre na presença de ao menos 5 dos 8 critérios conforme o HLH Study 2004: febre, esplenomegalia, citopenias (afetando ≥ 2 linhagens), hipertrigliceridemia e/ou hipofibrinogenemia, ferritina sérica > 500 ng/mL, baixa atividade de células NK, CD25> 2400 U/ml solúvel e hemofagocitose na medula óssea, no baço ou nos gânglios linfáticos. Neste caso, o diagnóstico não foi firmado devido a vários fatores confundidores. A neutropenia e plaquetopenia ocorreram após uso de ganciclovir; a biópsia de medula óssea não demonstrou achados compatíveis, a despeito do mielograma; a febre poderia ser associada à infecção urinária. Assim, paciente não apresenta evidência objetiva de LHH, o que é reforçado pela evolução benigna do quadro, mesmo sem tratamento específico. Ademais, os achados não foram suficientes para fechar os critérios para diagnosticar LHH, o que levou à hipótese de histiocitose reacional a processo infeccioso.

Palavras Chave

transplante renal; histiocitose.

Área

Transplante

Instituições

Universidade de São Paulo - Sao Paulo - Brasil

Autores

Luís Eduardo Moreira Martins, Angélica Nunes Rodrigues, Miguel Moysés- Neto, Fernando Chahud, Roberto Silva Costa, Fabíola Traina, Elen Almeida Romão