Fernanda Prestes Eventos
11 5084 4246 - 5081 7028 janice@fernandapresteseventos.com.br
41º SIMASP 2018

41º SIMASP 2018

Maksoud Plaza Hotel - Al. Campinas, 150 - São Paulo /SP | 28 de Fevereiro a 03 de Março de 2018

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANALISE DE VISAO SUBNORMAL NAS PATOLOGIAS MAIS FREQUENTES DO SETOR DE UVEITES DO CENTRO DE REFERENCIA EM OFTALMOLOGIA DE GOIAS

Introdução

Segundo a 10ª revisão do Código Internacional de Doenças (CID), visão subnormal (VSN) é definida quando o valor da acuidade visual corrigida no melhor olho é menor do que 0,3 e maior ou igual a 0,05 ou campo visual menor do que 20 graus com a melhor correção óptica. De acordo com a OMS (2011), há 246 milhões de pessoas no mundo com baixa visão (categoria 1 e 2 do CID 10). Dentre os processos uveíticos, a toxoplasmose congênita e a Síndrome de Vogt-Koyanagi-Harada (SVKH) são importantes causas de visão subnormal. No caso da primeira, devido, principalmente, às extensas cicatrizes de coriorretinite, que se encontram em até 95-100% dos casos. Já na fase uveítica da SVKH, há turvação visual bilateral em 70% dos casos, podendo levar a perda total da visão.
O objetivo foi avaliar a prevalência de visão subnormal como complicação das patologias mais frequentes no ambulatório de uveítes no Centro de Oftalmologia de Goiás – CEROF.

Métodos

Foi realizado um estudo transversal, retrospectivo, com análise de 231 prontuários de pacientes do Setor de Uveítes do CEROF-UFG, no período de janeiro de 2015 a maio de 2016. Os dados foram analisados no pelo programa SPSS - Statistics Package for Social Science 18.0.

Resultados

Dos 231 prontuários analisados, foi visto que 134 pacientes eram do sexo feminino (58%) e 97 do sexo masculino (42%). Dentre as mulheres, 24,8% possuíam visão subnormal como sequela do processo uveítico e 75,2% não possuíam. No sexo masculino, 31,2% possuíam visão subnormal e 68,8% possuíam acuidade visual maior do que 0,3. Além disso, as patologias mais encontradas no ambulatório foram: toxoplasmose (87 pacientes), sendo 23% com VSN; causas idiopáticas (42 pacientes), sendo 26,2% possuindo VSN; Síndrome de Vogt-Koyanagi-Harada (12 pacientes), com 50% desses apresentando VSN; toxoplasmose congênita (9 pacientes), com 89% portadores de VSN e espodiloartropatias (9 pacientes), sendo que 100% desses não apresentaram VSN.

Conclusões

Dentre as patologias mais encontradas no Ambulatório de Uveítes, as que causam com maior frequência visão subnormal são toxoplasmose congênita e SVKH. Portanto, torna-se de suma importância a prevenção primária e secundária da toxoplasmose congênita, através do pré-natal adequado e de uma boa triagem por parte do sistema de saúde. Além de que, o diagnóstico precoce da SVKH em sua fase prodrômica, evitaria perda visual grave, o que não ocorre caso se diagnostique a doença em fases mais avançadas.

Palavras Chave

Baixa visão, Uveíte, Uveíte/Etiologia, Toxoplasmose Congênita, Toxoplasmose

Área

MISCELÂNEA

Instituições

Universidade Federal de Goiás - Goias - Brasil

Autores

Bruna Costa Monteiro Hadler, Wirley Alves Mendonça Junior, Luiza Costa Monteiro Hadler, Diogo Batista de Queiroz Silveira, Rodrigo Alvares Salum Ximenes, Marina Oliveira Silva Paiva