Fernanda Prestes Eventos
11 5084 4246 - 5081 7028 janice@fernandapresteseventos.com.br
41º SIMASP 2018

41º SIMASP 2018

Maksoud Plaza Hotel - Al. Campinas, 150 - São Paulo /SP | 28 de Fevereiro a 03 de Março de 2018

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PAPILEDEMA BILATERAL SECUNDARIO A PSEUDOTUMOR CEREBRAL RELACIONADO A DENGUE

Introdução

Há cerca de 50 milhões de infecções e 500.000 hospitalizações com a dengue anualmente. Esta é uma infecção viral, com 4 sorotipos. Pode se manifestar de várias formas como um simples resfriado, febre hemorrágica e choque. As manifestações neurológicas e oculares na dengue são incomuns, porém há um crescente número de casos relacionados. Manifestações neurológicas da infecção são encefalite, meningite, eventos vasculares, hemorragia ou trombose, dentre outras. A manifestação neurológica predominante é a encefalite. As oculares mais comuns são: dor retrorbitária, hemorragias retinianas e subconjuntivais. Também podem ocorrer neurite óptica,maculopatia,efusão coroidal, vasculite, edema de papila,descolamento de retina e uveíte.
O objetivo deste relato é descrever um caso clinico raro de papiledema bilateral secundário a pseudotumor cerebral relacionado à dengue.

Métodos

Descrição de um relato de caso clinico atendido em nosso serviço.

Resultados

A dengue é uma importante doença de saúde pública mundial. A incidência relatada de papiledema secundário à dengue variou de 0 - 1,5%. Sinais comuns incluiu defeito pupilar relativo aferente, edema de disco óptico e ingurgitação de vasos.
Há ainda casos de trombose venosa cerebral, que é causada por uma desidratação grave resultante de vazamento de plasma; associada a dengue.Que pode levar a um quadro de papiledema relacionado a pseudotumor cerebral. Estudos mostraram que as neuropatias após a dengue estão associadas ao tipo de defeitos de condução desmielinizantes com componentes axonais.
As alterações oculares na dengue geralmente são autolimitantes, com a maioria dos achados que resolvem sem tratamento específico. O diagnóstico diferencial do papiledema é de essencial importância tanto para a conduta como para o prognóstico. E exames de imagem, tem grande utilidade.
O uso de esteroides sistêmicos em pacientes não pareceu agravar as complicações visuais ou a infecção sistêmica. E a hidratação adequada é muito importante nos estágios iniciais para prevenir uma complicação neurológica como trombose venosa seios cavernosos.

Conclusões

O prognóstico das manifestações oculares e neurológicas é,na maioria, bom e pode resolver espontaneamente. O uso de esteróides para tratar as alterações visuais é controverso Uma vez que as anormalidades oculares estão sendo mais comum em pacientes com dengue, a fundoscopia sob midríase deve ser realizada como rotina em todos os pacientes com formas moderadas ou graves da doença.

Palavras Chave

DENGUE, PAPILEDEMA, PSEUDOTUMOR CEREBRAL

Área

RETINA

Instituições

Instituto Penido Burnier - Sao Paulo - Brasil

Autores

RAFAEL NOJIRI MOREIRA, MARCIO A.C. COSTA, JESSICA ARAUJO SOUSA, MARIANA BOTELHO DIAS SOUZA, TIAGO ALMEIDA CARVALHO, VINICIUS CLEMENTINO FALCAO