Fernanda Prestes Eventos
11 5084 4246 - 5081 7028 janice@fernandapresteseventos.com.br
41º SIMASP 2018

41º SIMASP 2018

Maksoud Plaza Hotel - Al. Campinas, 150 - São Paulo /SP | 28 de Fevereiro a 03 de Março de 2018

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TOXOPLASMOSE OCULAR SIMULANDO NECROSE AGUDA DE RETINA

Introdução

Toxoplasmose ocular é causa mais comum de uveíte posterior no Brasil. O tratamento em nosso serviço inclui antibioticoterapia oral associada, em alguns casos, a corticoides. Estes são utilizados para reduzir reação inflamatória durante coriorretinite ativa e minimizar dano tecidual. O uso destes sem antiparasitário podem induzir piora clínica.

Métodos

F.V.P.S, 28 anos, referindo baixa da acuidade visual (AV), hiperemia e dor no olho esquerdo (OE). Referia contato com felinos e episódio semelhante há um ano, com resolução espontânea há três meses. AV com melhor correção de 20/20 no olho direito (OD) e 20/50 no OE. Biomicroscopia OD: sem alteração; OE: hiperemia ocular, precipitados ceráticos granulomatosos, reação de câmara anterior com flare 2+/4+ e células 3+/4+. Mapeamento de Retina (MR) OD: sem alteração; OE: lesão de coriorretinite exsudativa na arcada temporal superior com vasculite. Iniciado Sulfametoxazol 800mg, + Trimetroprim 160mg via oral, colírio de dexametasona 1% e midriático. Após três dias do início do quadro, associado prednisona 40mg por dia. Retorna após quatorze dias, AV OE <20/400, MR OE apresentando disco óptico (DO) com bordas imprecisas, aumento da lesão de coriorretinite exsudativa, associada a hemorragias superficiais e embainhamento vascular. Aventado hipótese de necrose aguda de retina, realizado internação e iniciado Aciclovir VO 10mg/kg/dia. Durante internação, paciente refere uso incorreto do antibiótico. Optado manter antiparasitário e antiviral por quatorze dias, evoluiu com cicatrização da lesão. MR do OE com áreas de tração retiniana associada a rotura e descolamento de retina temporal inferior. Realizado vitrectomia via pars plana com óleo de silicone e endolaser no OE.

Resultados

Devido apresentação inicial típica de toxoplasmose ocular, a indicação do uso de corticoide associado a medicação anti-toxoplasma foi para reduzir resposta inflamatória e tamanho da lesão de retinocoroidite. Uso isolado do corticoide resultou em quadro de retinite multifocal agressiva com aparência clínica da Necrose Aguda de Retina. Observou-se múltiplos focos de retinocoroidite e áreas hemorrágicas não características da toxoplasmose ocular. Realizado vitrectomia via pars plana com óleo de silicone devido gravidade do caso.

Conclusões

Toxoplasmose ocular fulminante por uso de corticoides já foram descritos, sobretudo quando usados isoladamente. O uso destes devem ser sempre associados a antiparasitários, sobretudo em pacientes idosos ou com evidência de infecção primária.

Palavras Chave

Toxoplasmose Ocular
Necrose Aguda de Retina
Corticoterapia em toxoplasmose ocular

Área

RETINA

Instituições

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo - Sao Paulo - Brasil

Autores

Gustavo Coelho Caiado, Yessa Vervloet Bertollo Lamego Rautha, Helena Yuri Kurimori, João Paulo Muaccad Gama, Carlos Roberto Neufeld, Aline Cristina Fioravanti Lui