Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

ASCARIDIASE BILIAR ASSOCIADA A COLEDOCOLITASE

INTRODUÇÃO

A ascaridíase é a helmintíase mais comum no mundo, acometendo cerca de 800 milhões de pessoas em todo o mundo. A ascaridíase biliar é uma afecção incomum, apesar da alta prevalência de infecção por Ascaris Lumbricoides. A localização mais comum do verme no corpo humano é no duodeno, porém pode se mover até a papila duodenal e adentrar ao ducto colédoco. Relatamos um caso desta patologia.

RELATO DE CASO

Paciente, 40 anos, sexo feminino, deu entrada no pronto socorro queixando-se de dor abdominal em epigástrio e hipocôndrio direito associada à náusea e vômitos. Sem mais sintomas. Ao exame físico abdome flácido, doloroso à palpação de região epigástrica e hipocôndrio direito, sinal de Murphy positivo.

Exames laboratoriais evidenciaram 19400 leucócitos, sendo 3% destes na forma de bastões e 63% neutrófilos segmentados. Bilirrubina total 3,6 mg/dl, sendo bilirrubina direta 1,92 mg/dl e bilirrubina indireta 1,68 mg/dl.

Realizada a ultrassonografia de abdome total demonstrando vesícula biliar hipodistendida e repleta de cálculos, dilatação das vias biliares intra e extra-hepáticas, ducto colédoco medindo cerca de 2,2 centímetros sendo identificado três cálculos no seu interior, o maior medindo até 2,7 centímetros em sua maior extensão.

A paciente foi submetida à colecistectomia com anastomose biliodigestiva colédoco-jejunal em Y de Roux. No intra-operatório, durante exploração do ducto colédoco foram extraídos três cálculos de aproximadamente 02 centímetros e um Ascaris lumbricoides com comprimento de 10 centímetros.

DISCUSSÃO

A ascaridíase biliar é uma condição incomum apesar da alta prevalência mundial de infecção por Ascaris Lumbricoides, principalmente em regiões sem boas condições de saneamento básico. Podem surgir sintomas como cólica biliar, icterícia com padrão obstrutivo e, menos comumente, colangite. O diagnóstico pode ser feito através de visualização do verme por ultrassonografia, ressonância magnética nuclear ou colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE), sendo que esta última também é terapêutica. O tratamento consiste na retirada do verme do ducto colédoco e os pacientes devem receber tratamento clínico com drogas anti-helmínticas.

Área

VIAS BILIARES E PÂNCREAS

Instituições

Hospital Jayme Dos Santos Neves - Espirito Santo - Brasil

Autores

Pâmerson Poubel Faria, Luís Alberto Valente Laufer, Heitor Soares Morais, Igor Barbosa Rodrigues, Wesley Kuster Tonoli, Natália Reis de Sá