Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

ANALISE DOS ÍNDICES NACIONAIS DE MORTALIDADE POR ESPINHA BÍFIDA NO PRIMEIRO ANO DE VIDA ENTRE 1996 E 2016

OBJETIVO

Delinear o perfil epidemiológico dos óbitos por espinha bífida no primeiro ano de vida entre 1996 e 2016 com o escopo de traçar um panorama nacional referente ao agravo em tela.

MÉTODO

Consiste em um estudo transversal, descritivo e retrospectivo a partir da base de dados do Departamento de Informática do SUS (DATASUS). As variáveis pesquisadas foram: número de óbitos, faixa etária (materna e infantil), duração da gestação, sexo e escolaridade materna.

RESULTADOS

Foi notificado no país um total de 2.920 óbitos, que perfizeram uma média anual de 175 registros no primeiro decênio e 89 na segunda década analisada. Nessa seara, 1.006 ocorreram na região Sudeste, 977 no Nordeste, 436 no Sul, 258 no Norte e 243 no Centro-Oeste. Em relação à distribuição etária, entre 0 e 6 dias, 7 a 27 dias e 28 a 364 dias foram catalogados, respectivamente, 1.027, 844 e 1.047 óbitos. Quanto à duração da gestação, 644 foram pré-termo, 1.132 a termo e 173 pós-termo, havendo 971 casos ignorados. Houve registro de quantidades semelhantes em ambos os sexos, contando com valor discretamente maior no sexo feminino (53%). Referente à mãe, 1.442 (49%) possuíam entre 20 e 39 anos e 1.312 (45%) contavam com nenhum ou até 11 anos de estudo.

CONCLUSÕES

Foi notificado no país um total de 2.920 óbitos, que perfizeram uma média anual de 175 registros no primeiro decênio e 89 na segunda década analisada. Nessa seara, 1.006 ocorreram na região Sudeste, 977 no Nordeste, 436 no Sul, 258 no Norte e 243 no Centro-Oeste. Em relação à distribuição etária, entre 0 e 6 dias, 7 a 27 dias e 28 a 364 dias foram catalogados, respectivamente, 1.027, 844 e 1.047 óbitos. Quanto à duração da gestação, 644 foram pré-termo, 1.132 a termo e 173 pós-termo, havendo 971 casos ignorados. Houve registro de quantidades semelhantes em ambos os sexos, contando com valor discretamente maior no sexo feminino (53%). Referente à mãe, 1.442 (49%) possuíam entre 20 e 39 anos e 1.312 (45%) contavam com nenhum ou até 11 anos de estudo.

Área

CIRURGIA PEDIÁTRICA

Instituições

Centro Universitário Tiradentes - Alagoas - Brasil

Autores

Leticia Lima Oliveira, Diandra Alcântara Jordão, Maria Eduarda Freitas Melo, João Pedro Matos Santana, Maria Eduarda Pudentes Kunzler Alves, Marcos Reis Gonçalves, Lais Albuquerque Pinto, Juliana Lima Medeiros