Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

DEFICIENCIA DE ALFA-1-TRIPSINA E O TRANSPLANTE HEPATICO: UMA REVISAO DA LITERATURA

OBJETIVO

Analisar os diferentes casos de transplantes hepáticos nos casos de deficiência de alfa-1-antitripsina e seus impactos, necessidades e consequências.

MÉTODO

Foi realizada uma revisão de literatura. Os termos 'Liver Transplantation' e 'Deficiencies, alpha 1-Antitrypsin' e seus sinônimos foram utilizados para as buscas nas bases: PUBMED, LILACS, Health Systems Evidence e BVS. Não houve restrição de idiomas. Foram encontrados 82 artigos, após leitura de título e resumo entre pares foram selecionados para leitura completa 31 artigos, destes 15 fazem parte desta revisão.

RESULTADOS

A deficiência de alfa-1-antitripsina \pode resultar em lesão hepática e tem a possibilidade de cursar com colestase neonatal e ascite bem como outras patologicas. O diagnóstico acontece nos primeiros meses ou anos de vida. O transplante de fígado nos casos dos pacientes com a deficiência tem sido realizado a partir de doença hepática avançada, podendo estar acompanhada por um quadro respiratório com epistaxe espontânea, coma hepático profundo complicado por coagulopatia grave, febre e aumento da bilirrubina sérica total. Em vários casos, o transplante hepático foi bem sucedido, representando uma ótima abordagem terapêutica, proporcionando cura metabólica do efeito genético. Há alguns relatos de casos de crianças que desenvolveram hipertensão arterial de origem renal após o transplante, ascite e encefalopatia hipertensiva. No entanto, o controle da patologia foi realizado na maior parte dos casos. Alguns fatores influenciam o sucesso do transplante bem como o armazenamento correto do órgão doado, e o organismo do paciente. Foi observado também a importância de não somente considerar a sobrevida do paciente, mas também a sua qualidade de vida após o transplante, cuja observação também deve fazer parte dos critérios de indicação.

CONCLUSÕES

O transplante de fígado é indicado, nos casos de deficiência de alfa-1-antitripsina, somente para pacientes com doença hepática avançada, tendo um bom resultado em boa parte dos casos, mas alguns impactos negativos nos pacientes, como distúrbios renais. Dessa maneira, é válido ressaltar a importância da constatação dos critérios de recomendação de transplante nesses pacientes, uma vez que eles apresentam alterações importantes, tratáveis por meio deste procedimento. Além de seguir e manter os protocolos já estabelecidos de todo o processo, como a preservação do órgão doado.

Área

TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS

Instituições

Centro Universitário de Brasília - UniCEUB - Distrito Federal - Brasil

Autores

Mariana de Andrade dos Santos, Heloisa Lima Heller, Lucas Sepúlveda Chianca, Maria Clara Mesquita Leite, Gabriela Lima De Alcântara, Carolina Marques Vinhal de Carvalho