Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

ANEURISMAS GIGANTES DE ARTERIAS CORONARIAS – RELATO DE CASO

INTRODUÇÃO

Aneurismas em artérias coronárias são achados angiográficos raros. Em adultos, a maioria dos
casos está associada à presença de aterosclerose. A fisiopatologia não está bem elucidada.
Dentre os pacientes submetidos à angiocoronariografia, 0,15 a 4,9% apresentam aneurismas
coronários. A atual definição para aneurisma de coronária é o aumento focal do diâmetro que
excede em 50% o diâmetro da artéria mais calibrosa do paciente. Atualmente, não há diretriz
específica para o tratamento de aneurismas gigantes de coronárias e a literatura atual é
baseada em experiências de especialistas. Considerando os riscos de complicações, o
tratamento mais utilizado, em casos sintomáticos, é o cirúrgico. O método de escolha é a
angioplastia ou revascularização miocárdica associada à ressecção do aneurisma. O objetivo do
presente relato é descrever sobre um paciente com dois aneurismas gigantes de artérias
coronárias, associados a múltiplos aneurismas envolvendo as artérias aorta, ilíacas, femorais e
poplítea.

RELATO DE CASO

M.A.M., 59, masculino, hipertenso, diabético, com histórico de aneurisma em artéria poplítea
direita, em preparação para tratamento percutâneo, cursando com dispneia progressiva há
cerca de 6 meses. Teste de esforço revelou isquemia e cintilografia miocárdica com estresse
farmacológico confirmou isquemia de 16% da massa ventricular, sem sinais de fibrose.
Angiotomografia (angioTC) cardíaca e cineangiocoronariografia revelaram oclusão proximal de
artéria descendente anterior, grande aneurisma de artéria circunflexa proximal, estenose de
ramos marginais e aneurisma gigante de artéria coronária direita. AngioTC revelou ainda
aneurisma em aorta abdominal infrarrenal, ilíaca interna direita, ilíaca comum esquerda e
poplítea esquerda. Em um primeiro tempo cirúrgico, paciente foi submetido à revascularização
do miocárdio com ressecção dos aneurismas gigantes com sucesso. Cerca de três meses após a
cirurgia cardiovascular, ocorreu o tratamento percutâneo da aorta abdominal infrarrenal e
ilíacas, sendo deixado, para um terceiro tempo, o tratamento, também percutâneo, da artéria
poplítea esquerda.

DISCUSSÃO

No caso apresentado, a opção pelo tratamento cirúrgico para revascularização miocárdica com
ressecção do aneurisma foi exitoso, sem qualquer complicação. A opção por tratar os
diferentes aneurismas em temos cirúrgicos diferentes se mostrou bastante eficaz.

Área

MISCELÂNEA

Instituições

UniCEUB - - Afeganistão

Autores

Mariana França Bandeira Melo, Ângelo Santana Guerra, Isabella Godoy Gomes, Matheus Moreno de Oliveira, Marcel Takeshi Shono, Eduardo Lenza Silva, Helmgton José Brito Souza