Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

DEPRESSAO, ANSIEDADE E A BUSCA POR PROCEDIMENTOS ESTETICOS EM CIRURGIA PLASTICA

OBJETIVO

Avaliar a prevalência de depressão e ansiedade nos pacientes em pré-operatório de procedimentos eletivos de caráter estético. Estabelecer a importância do cirurgião plástico realizar a devida avaliação com seus pacientes, para que assim possa identificar aqueles com problemas psicológicos, que devem ser encaminhados e tratados antes de serem submetidos aos procedimentos invasivos buscados.

MÉTODO

Estudo observacional transversal baseado na aplicação da Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (HADS) em pacientes em consulta inicial de cirurgia plástica estética, em instituições privadas de Salvador/BA, de julho de 2018 a setembro de 2018. Foram incluídos pacientes maiores de 18 anos, do sexo feminino, que buscaram por procedimentos estéticos.

RESULTADOS

A amostra foi constituída por 58 pacientes do sexo feminino, sendo 50,0% "acima de 40 anos", 63,8% com filhos, 48,3% com ensino superior completo e 72,4% trabalha no setor terciário. Metade da amostra já realizou pelo menos uma cirurgia plástica prévia e 37,9% fez algum procedimento estético não invasivo. Das 29 pacientes que realizaram cirurgias prévias, 16 delas (55,2%) já haviam realizado procedimentos não invasivos, enquanto somente 6 pacientes (20,7%) não realizaram cirurgias prévias e realizaram algum tipo de procedimento estético (p = 0,007). 67,2% referiu praticar atividade física, enquanto 19,0% fez ou faz uso de medicamento para emagrecer. Com relação ao acompanhamento com psiquiatra ou psicólogo, 32,8% referiu já ter feito ou fazer, dentro deste universo, 52,7% indicou "ansiedade" como motivo e 15,8%, "depressão", sendo que 22,4% da amostra referiu ter feito ou fazer uso de medicamento controlado. 42,2% das pacientes que fizeram ou fazem acompanhamento com psiquiatra ou psicólogo apresentaram diagnóstico de "possível" ou "provável" ansiedade, ao passo que apenas 12,9% obtiveram esse mesmo diagnóstico dentre as pacientes que não fizeram ou fazem o acompanhamento mencionado (p = 0,023). 84,5% da amostra referiu "desconforto com a imagem corporal" como motivo para a busca pela cirurgia. Verificou-se que 50% das pacientes com ensino médio incompleto obtiveram diagnóstico de "provável depressão", enquanto nos outros grupos de grau de instrução não foram observados valores tão expressivos (7,1% no grupo de ensino superior incompleto) (p = 0,043). De acordo com a HADS, foram encontrados 22,4% de diagnósticos positivos para ansiedade e 8,6% para depressão.

CONCLUSÕES

A depressão e a ansiedade têm uma prevalência significativa nas mulheres que buscam por cirurgia plástica estética e este estudo demonstra a necessidade de uma avaliação psicológica durante a primeira consulta do cirurgião plástico.

Área

CIRURGIA PLÁSTICA (Inclusive neoplasias malignas de pele)

Instituições

UNIFACS - Bahia - Brasil

Autores

Rodrigo del Pino Silva, Priscila Bomfim Neri, Luciana Castellani Fajardo Freire Rossi, Pedro Moraes Dórea