Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

ANALGESIA LOCO REGIONAL TAP BLOCK GUIADA EM CIRURGIAS PELVICAS, AVALIAÇAO DE ANALGESIA E DOR POS OPERATORIA

OBJETIVO

O bloqueio do plano transverso abdominal (TAP) consiste na técnica ecoguiada ou via laparoscópica para analgesia loco regional, principalmente em procedimentos cirúrgicos abaixo da linha umbilical.
Objetivo do trabalho foi observar a modulação analgésica com uso ou não de TAP.

MÉTODO

No presente estudo observacional, comparamos, cirurgias laparoscópicas, no ano de 2016-18, com idade entre 20 a 83 anos, sendo 30 do sexo masculino e 10 do sexo feminino. Comparamos esses procedimentos com 30 herniorrafias videolaparoscópicas, e 10 apendicectomias realizadas no período de 2016 a 2018, com uso multimodal de analgesia e anestesia geral, mas sem uso de TAP.
O bloqueio é sempre realizado com cloridrato de ropivacaina 7,5 mg/ml (0,75%), diluindo solução com a 10 ml associado a 10 ml de solução fisiológica 0,9%. Injentando os 20 ml na posição do músculo transversso do abdominal (uni ou bilateral – associado ao mesmo lado do procedimento), guiado por ultrassonografia e laparoscopia com visualização direta, até distensão do peritônio parietal.

RESULTADOS

Quando comparamos o pós operatório imediato, avaliamos a menor necessidade de analgesia multimodal nas primeiras 12 horas, com redução das doses de infusão de medicação para metade da dose utilizada nas cirurgias sem o TAP. Quando comparamos o padrão de dor nas próximas 72 horas (questionado via telefônica), pós alta, o uso de analgesia padrão estabelecida manteve-se, mas com 90% de redução do uso de necessidade de uso de analgésico de demanda. Já os pacientes sem uso de TAP, fizeram uso mais frequente de dipirona, e 20% com uso de tramadol. Quando comparamos com retorno entre o décimo e o décimo quinto dias, o uso de analgesia sob demanda com TAP prévio foi apenas de 01 paciente. Retorno as atividades não observamos impacto, todos pacientes forma liberados para atividades laborativas com 15(quinze) dias em média.

CONCLUSÕES

Concluímos que bloqueios regionais em cirurgias na topografia pélvica são aplicáveis, reprodutíveis, execução local, via ultrassonográfica ou laparoscópica, com resultado analgésicos pós operatórios imediatos, redução das doses e quantidade de medicações venosas ou orais analgésicas. Nenhuma complicação maior com uso da analgesia TAP guiada.

Área

MISCELÂNEA

Instituições

GASTROCARE - Goias - Brasil

Autores

MAXLEY ALVES ALVES, MONIKY BATISTA DA SILVA SOUZA, EDUARDO SILVESTRE VAZ COSTA, CAMILA BOCCHI SIQUEIRA, PEDRO FREIRE GUERRA BOLDRIN, FABIO MAHAMED RASSI, ENY KARLA NASCIMENTO SANTOS, THIAGO HAYASHIDA HAYASHIDA TELES DE CARVALHO