Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

ABORDAGENS PERIAREOLARES NA CIRURGIA TORACICA: UMA REVISAO DE LITERATURA

OBJETIVO

Descrever os tipos de procedimentos dentro da cirurgia torácica nas quais a incisão periareolar foi utilizada e constatar os resultados.

MÉTODO

Trata-se de uma revisão de literatura sistemática abordando trabalhos encontrados nas plataformas PubMed, Google Scholar e Scielo com artigos publicados entre 2000 e 2014. Os principais descritores utilizados para a pesquisa foram “periareolar approach” e “thoracic surgery”. Encontrou-se 33 artigos, no qual apenas 26 eram pertinentes ao tema, pois os outros abordavam cirurgias cardíacas.

RESULTADOS

Atualmente, técnicas cirúrgicas minimamente invasivas se tornam preferenciais comparadas a cirurgias abertas. Não há consenso para a melhor abordagem na videotoracoscopia, no entanto, há uma tendência para incisões menores. As incisões periareolares são mais utilizadas por cirurgiões gerais para biópsias pulmonares e por cirurgiões plásticos para dissecção subcutânea, obtendo maior acesso a parede torácica anterior, com melhor cicatrização. O quarto nervo intercostal é responsável pela inervação do mamilo e da aréola, ambos não sendo afetados, pois a técnica que foi criada para o sexo masculino, faz o acesso pelo segundo ou terceiro espaço intercostal. Nas mulheres, há uma preferência por uma abordagem perimamária. É descrito lobectomias, em pacientes do sexo masculino, com uma incisão periareolar de 50% da circunferência da aréola, realizada sem danos teciduais. Evidencia-se que o método dá um acesso mais direto ao hilo pulmonar, além das costelas anteriores permitirem uma maior separação que as posteriores. O mesmo procedimento foi executado para tumores mediastinais, bulectomias e ressecções sublobares. Foram realizadas mediastinoscopias com incisão periareolar, utilizando o segundo espaço intercostal. A realização de raio X pós-operatório não mostrou pneumotórax residual nos pacientes. Há registro de uma correção de pectus carinatum pela incisão periareolar, na qual as incisões foram mais efetivas e cosmeticamente aceitas do que as incisões laterais. Uma simpatectomia também foi executada, atestando que o método de duas portas é superior ao de três portas, além de melhor resultado estético e evitar nervos sensoriais. Não obstante, estabelecer um túnel hemostático pelo segundo espaço intercostal demora mais tempo e exige mais técnica.

CONCLUSÕES

A incisão periareolar oferece um acesso fácil e resultados estéticos satisfatórios em abordagens torácicas assistidas por vídeo, principalmente em procedimentos pequenos, comparados com as outras técnicas de incisão em videotoracoscopia ou em cirurgias abertas. Ademais, há uma melhor elasticidade nos arcos costais da região anterior comparados com a posterior, permitindo uma maior inserção e manipulação de instrumentos no tórax, sem causar desconforto ou limitação de movimento para o cirurgião.

Área

CIRURGIA TORÁCICA

Instituições

UNICEPLAC - Distrito Federal - Brasil

Autores

MICHAELA LONGONI MANFROI, PEDRO PAULO DE MATOS, MATHEUS PEDROSA TAVARES, RAFAELA DA SILVA SCHOTTZ, MARIANY DE OLIVEIRA GOMES, MARIANA SANTOS PINTO, UANDA BEATRIZ PEREIRA SALGADO, LUZITANO BRANDÃO FERREIRA