Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

ANEURISMA DE ARTERIA HEPATICA ROTO - RELATO DE CASO

INTRODUÇÃO

Aneurismas de artéria hepática são infrequentes. A sintomatologia de um aneurisma nesta topografia está relacionada à compressão de estruturas vizinhas e, eventualmente, à obstrução, o que costuma ocorrer tardiamente e, muitas vezes, o diagnóstico é realizado após sua rotura.

RELATO DE CASO

Paciente masculino, 76 anos, hipertenso, com história de colúria, acolia fecal, icterícia e prurido iniciados 15 dias antes da admissão. Encaminhado ao Hospital Universitário Clementino Fraga Filho em Janeiro de 2019 para investigação etiológica de síndrome colestática. Ao exame, apresentava-se ictérico (3+/4+). Exames laboratoriais evidenciavam bilirrubina total de 34,2mg/dL. No segundo dia de internação, foi submetido à colangiografia percutânea seguida de drenagem biliar externa. Portava Ultrassonografia de Abdome Total, a qual evidenciava pâncreas de textura heterogênea, presença de massa ecogênica em sua cabeça (55 x 43 mm), vascularizada e com fluxo contínuo ao Doppler (alteração aneurismática). Realizada AngioTomografia, a qual evidenciou: dilatação aneurismática de ramo da artéria mesentérica superior comprimindo a cabeça do pâncreas. Equipes de Cirurgia Geral e Vascular optaram pela programação de angiografia com embolização do vaso. No décimo quinto dia, evoluiu com quadro de dor abdominal e eliminação de 1,5 litros de secreção hemática pelo dreno de via biliar. Submetido à laparotomia exploradora, a qual evidenciou aneurisma roto contido - realizada endoaneurismorrafia. No vigésimo primeiro dia, apresentou eliminação de secreção biliosa pelo óstio ao redor do dreno de via biliar. A colangiografia evidenciou fístula biliar. Realizada laparotomia exploradora, a qual evidenciou pequena quantidade de bile em cavidade, associada a lesão puntiforme em via biliar principal. Procedidas a colecistectomia, a rafia da lesão e a drenagem da cavidade abdominal. No vigésimo quarto dia, evoluiu com aumento do débito do dreno abdominal, sendo programada a progressão de prótese biliar via CPRE. Durante a execução do exame, foi realizada colangiografia pelo dreno biliar que demonstrou dilatação das vias biliares intra e extra-hepáticas, com obstrução de colédoco distal pela massa pancreática (aneurisma rafiado) de aproximadamente 2,5 cm de extensão. Não identificado sítio de extravasamento da bile. Não foi possível o cateterismo da papila duodenal devido à obstrução pela massa pancreática. Como o dreno biliar percutâneo permanece funcionante, optou-se pela manutenção do mesmo e discussão quanto à confecção de derivação biliodigestiva, após melhora evolutiva do perfil nutricional.

DISCUSSÃO

Estudos mostram que o aneurisma de artéria hepática provoca sintomas após atingir 2 cm de diâmetro. O risco de ruptura do aneurisma > 5 cm ultrapassa 80% e a taxa de mortalidade após ruptura é extremamente elevada. Portanto, o aneurisma da artéria hepática sintomático deve ser encarado como uma emergência vascular, necessitando intervenção imediata.

Área

CIRURGIA VASCULAR

Instituições

Universidade Federal do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil

Autores

Vívian de Menezes Silva Corraes, Joaquim Ribeiro Filho, Gaudêncio Espinosa Lopez